A participação de mulheres no audiovisual é positiva em Portugal

sexta, 03 março 2017 01:47 Escrito por 
A participação de mulheres no audiovisual é positiva em Portugal D.R.

Lembrando o lema desta edição do FESTin, realizou-se na tarde de ontem uma mesa redonda sobre a Participação das mulheres no audiovisual, moderada pela cineasta portuguesa Margarida Gil.

A conversa, que contou com a participação de Mirta Ibarra de Cuba, Concha Barquero de Espanha, Elena Vinardell de la Ibermedia de Espanha e Manola Rodrigues do Uruguai, foi sobretudo indiciador das dificuldades sentidas pela mulher quando avança em terrenos profissionais que são convencionalmente do domínio do homem.

Embora existam diferenças nos países presentes no debate, tanto em Espanha, como Portugal, Cuba , Uruguai, Colômbia, a sobranceria sobre o trabalho exercido pela mulher na área do audiovisual mantém-se.
Paises como o Brasil, a República Dominicana organizaram-se em clubes femininos onde as mulheres podem livremente exercer as suas funções no audiovisual sem medo de represálias masculinas.

Margarida Gil, realizadora portuguesa, e cuja retrospectiva faz parte da programação deste Festival, falou da evolução conseguida em Portugal depois do 25 de Abril, mais concretamente nos últimos anos.

Por exemplo no Brasil os jovens , melhor as jovens organizam-se para criar os seus projectos, tudo sem admitirem a intervenção masculina.
Mirta Ibarra de Cuba mulher de Titon, grande realizador cubano, falou da experiência e do que aprendeu com o marido realizador.

Foi uma conversa elucidativa de dificuldades e de vontade de ultrapassá-las, mas nunca se aventou a hipótese de tentar colaborar com o elemento masculino e limar as arestas que separam os dois géneros.