Momento de emoção abre antestreia da “Ilha dos Cães”: recordam-se algumas interpretações de Nicolau Breyner

quarta, 19 abril 2017 00:05 Escrito por 
Momento de emoção abre antestreia da “Ilha dos Cães”: recordam-se algumas interpretações de Nicolau Breyner D.R.

Falecido em 2016, Nicolau Breyner tem neste filme de Jorge António, uma das suas ultimas interpretações. Homenageado também António Costa o dono da Cinemate, produtora do filme.

Exibido em antestreia no cinema São Jorge na noite de ontem dia 17, com a presença sempre simpática de Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa, Mário Centeno, Catarina Vaz Pinto, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, “A ilha dos cães” uma adaptação do romance “Os senhores do areal”, do escritor angolano Henrique Abranches, é uma estranha história passada em em São Tomé e Príncipe e Angola, relatando períodos históricos ligados à escravatura e à luta pela independência.

Com uma linha narrativa onde impera a fantasia, o quase impossível, o realizador coloca o espectador numa ilha onde alguém fazer um resort, expulsando os pescadores das suas habitações e da sua pescaria, o seu modo de sobrevivência.

A partir de aqui as premissas sucedem-se. E Jorge António mistura passado com presente não conseguindo vislumbrar um futuro.

Como uma alegoria fantasmagórica os cães imperam na ilha dominados quem sabe por alguém qué é ele próprio uma cão, ou a destruição disfarçada.

“A ilha dos cães” é uma produção de Ana Costa, tem direcção de fotografia de Tony Costa e interpretação de Ângelo Torres, Miguel Hurst, Matamba Joaquim, Ciomara Morais, João Cabral, José Eduardo e Nicolau Breyner, no papel de um fazendeiro e explorador de escravos.