Teatro

"Woyzeck" o apocalipse no Kabuki

quarta, 30 setembro 2009 03:38

"Woyzeck" é uma peça de Büchner de dificil interpretação e não menos fácil encenação.

Usando o ambiente fantasmagórico e apocalíptico da peça Ricardo Bragão coloca-a num mundo punk, num cenário de destruição absurda, e de uma tremenda violência.

Ler mais ...

"Tom & Vinicius" em cena em Novembro

sábado, 03 outubro 2009 01:47
O musical "Tom Vinicius", que relata a amizade e a parceria musical entre António Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, dois nomes cimeiros da música brasileira, chega a Portugal em Novembro.
Ler mais ...
Dia 8 de Setembro, no Casino Estoril, sobe á cena um espectáculo diferente pelo menos no que respeita ao guarda-roupa, "Rapazes Nus a Cantar".

Trata-se de uma comédia musical com oito artistas portugueses apurados, após exigente "casting" de entre 40 candidatos.
Ler mais ...

“A Gaiola das Loucas” a melhor versão

domingo, 16 agosto 2009 21:59
“A Gaiola das Loucas”  a melhor versão“A Gaiola das Loucas” musical encenado por Filipe la Féria, no palco do Teatro Rivoli do Porto, foi considerada, pelos autores norte-americanos da peça, como “a mais bela versão de sempre do célebre musical”.
Ler mais ...
Piaf, Amália e Callas mitos que apaixonam La Feria desde criançaEm entrevista exclusiva ao Hardmusica, Filipe La Feria confidencia as suas paixões desde menino, e também as suas escolhas políticas.
Defende o seu teatro, e dá como exemplo a "escola" que vai fazendo no Porto. Numa entrevista em que não faltam críticas ao Governo de Sócrates que se desculpa com a "crise já esperada".
Ler mais ...

Há 50 anos, ainda no Conservatório foi Cordélia, a filha mais nova do Rei Lear de Shakespeare, um convite de Francisco Ribeiro que o público aplaudiu como Ribeirinho. Veio depois a estreia no Nacional ao lado de outro vulto maior da cena portuguesa, Amélia Rey-Colaço. A actriz, porque é de uma actriz que falamos, chama-se Alina Vaz. A menina rebelde de “Enquanto os dias passam”, talvez a primeira telenovela portuguesa, fez muito teatro, peças de êxito como “A preguiça” que protagonizou ao lado de Raul Solnado, um dos sucessos da temporada de 1969, ou “Empresta-me o teu apartamento” e “A Flor do cacto” da companhia de Vasco Morgado que trocou pelo Porto indo ganhar “metade do ordenado que tinha pois queria fazer outro tipo de teatro”. Hoje Alina Vaz raramente aparece na televisão, sendo uma das mais bonitas e elegantes actrizes portuguesas. Mas faz teatro “pela província” com uma peça de José Vilhena, adaptada por Tozé Martinho, “As calcinhas amarelas”. O Hardmusica foi ouvi-la na primeira pessoa.

Ler mais ...