CCB esgotou para ouvir Jorge Palma

quarta, 11 dezembro 2013 01:30 Escrito por 

O Centro Cultural de Belém (CCB) foi palco de um concerto intimista, genuíno e porque não dizer inesquecível de Jorge Palma no dia 10 de Dezembro.

Com o Grande Auditório esgotado para ouvir e cantar os temas que fizeram sucesso ao longo de uma carreira com mais de 40 anos, Jorge Palma superou todas as expectativas.

O artista, eternamente rebelde e boémio, teve "uma ideia que foi começar isto ao contrário" e assim sendo apresentou os artistas que o acompanharam, Gabriel Gomes e o seu filho Vicente, para além de toda a equipa técnica.

"Jeremias" e "Acorda menina linda" foram os primeiros temas que fizeram o público aplaudir fortemente o artista. A interacção com o público foi algo de genuíno. Aos gritos de "és o maior" respondeu "tenho 1,70 metro" arrancando forte gargalhada na plateia.

Após alguns "desatinos" com a pauta, "é para o caso de me esquecer da letra, mas até agora não foi preciso", e "inspirada no Principezinho" interpretou "Voo Nocturno".

Com a boa disposição que o caracteriza pediu "que a quem quiser ir embora, não faça barulho", recebendo mais uma fortíssima ovação. O público queria estar com ele.

Depois de "abandonar" a viola, foi encantar ao piano, se bem "que falta aqui um cinzeiro e um copo de whisky". Bom e aqui foi uma exibição de genialidade tanto na voz como no piano. "Valsa de um homem carente", "A gente vai continuar", "Dá-me lume", "Deixa-me rir" e "Estrela do Mar", antecederam um abandono de palco.

Este abandono foi para ir buscar uma cerveja. O cigarro e o whisky ficaram para depois do concerto. Criticado por uns, amado por muitos mais, este é Jorge Palma, aquele que o seu fiel público quer e gosta de ver e ouvir.

"Ora bem onde é que nós íamos? O Jeremias foi a segunda que toquei...Podem ir fumando um cigarrinho, vocês podem eu é que não..." disse enquanto decidia qual o tema seguinte. "Passos em volta" pedido pelo público foi o tema escolhido.

Após "Minha Senhora da Solidão", anunciou ter "um vinho "Encosta-te a mim e um vodka "Frágil. Qual querem?". Após votação por braço no ar, interpretou apenas, como ele tão bem sabe, "Frágil".

Com Gabriel Gomes no acordeão interpretou a "Canção de Lisboa" ensinando-nos depois o que é "Imperdoável".

É importante referir que em todos os temas foi muito aplaudido, a sua colocação de voz esteve irrepreensível para além claro da versatilidade instrumental.

Seguiram-se os temas "Uma alma caridosa", "Com todo o respeito" e um dos últimos grandes sucessos da sua carreira "Encosta-te a mim", o qual o público o acompanhou no refrão.

"Agora vou chamar um amigo de há muitos anos, não vale a pena estarmos aqui com muitas histórias se não nunca mais acabamos", assim anunciou como convidado Fernando Tordo.

Após interpretação de um tema de Jorge Palma, chegou a "Tourada" com direito a cornetim e tudo, como se estivéssemos numa praça de touros.

"Foi ele que me apresentou a Ary dos Santos. Levou-me a Timor, já discutimos, já rimos como o caraças. É bom ter amigos assim", disse o "Jorge Manuel" sobre o "Fernando Travassos" como há muitos anos se tratam.

A noite já ia longa mas o público queria mais e como tal foi interpretado "Portugal Portugal". Com a boa disposição a reinar no Grande Auditório, um espectador disse "quero o meu dinheiro de volta" obtendo como resposta do artista "já houve concertos em que terias razão. Este acho que não é o caso...". Mais uma ovação e uma gargalhada geral.

Encerrou o concerto com "Anjos de Berlim", "Quero o meu dinheiro de volta" e "A gente vai continuar".

Com o público de pé a aplaudir, Jorge Palma agradeceu e saiu de palco. Foram duas horas e meia de boa música, muita rebeldia e uma qualidade só ao alcance dos melhores. Jorge Palma é claramente um deles.

Modificado em quarta, 11 dezembro 2013 15:49