Palácio de Mafra com concerto inédito de uma missa do século XVIII

sábado, 19 novembro 2016 15:30 Escrito por 
Palácio de Mafra com concerto inédito de uma missa do século XVIII D.R.

A basílica do Palácio Nacional de Mafra recebe neste sábado um concerto para os seis órgãos históricos e três coros, recriando pela primeira vez, naqiuele monumento as partes musicais de uma missa do século XVIII naquele monumento.

Para o concerto comemorativo dos 300 anos do lançamento da primeira pedra do palácio, foi estudada e transcrita para notação musical moderna uma partitura escrita no final do século XVIII, cujo manuscrito se encontra na Biblioteca Nacional, afirmou o musicólogo e organista João Vaz, autor do estudo.

A composição, escrita de propósito para acompanhar as missas do século XVIII em Mafra, chegou a ser atribuída a Frei José Marques e Silva.

Contudo, o investigador esclareceu que, por ter estudado de forma aprofundada aquele compositor para a sua tese de doutoramento, a partitura "não é dele, mas de autor anónimo", talvez de algum italiano daquele período.

O objectivo do concerto, com duração de uma hora, é "recriar o que seria a componente musical de uma missa do século XVIII", o que é inovador em Mafra.

"As missas eram mais longas do que hoje e eram realizadas em datas mais importantes, em que até o rei vinha assistir, como o Dia de S. Francisco", explicou João Vaz.

O programa do concerto é o conjunto de secções da missa, como 'kyrie', 'gloria in excelsis', 'in gloria dei patris' e 'credo'.


A composição foi escrita para ser tocada nos seis órgãos históricos de Mafra e para ser cantada por três coros, pelo que o concerto "tira partido da disposição dos três coros por baixo dos órgãos", ou seja, nos transeptos norte e sul e na capela-mor, adiantou.

Os órgãos vão ser tocados por João Vaz, Isabel Albergaria, Sérgio Silva, Margarida Oliveira, Daniela Moreia e Diogo Rato Pombo, enquanto os três coros vão ser integrados por elementos masculinos do Grupo Voces Caelestis, de Lisboa, sob a orientação de Sérgio Fontão.

O concerto integra o programa de comemoração dos 300 anos do palácio, desde o lançamento da sua primeira pedra do palácio, que começou na quinta-feira e termina a 17 de Novembro de 2017.


Na quinta-feira à noite, milhares de pessoas assistiram a um espectáculo de projeção de luzes coloridas sobre a fachada do monumento, sincronizadas com fogo-de-artifício e com composições de Strauss, Haendel, Tchaikovsky ou Verdi, tocadas ao vivo pela Banda Sinfónica do Exército, composta por 70 elementos.