Filipa Cardoso trouxe ao CCB a sua alegria e raça a cantar o seu Fado

domingo, 19 março 2017 15:04 Escrito por 
Filipa Cardoso trouxe ao CCB a sua alegria e raça a cantar o seu Fado Foto CCB

Filipa Cardoso esgotou o Pequeno Auditório do Centro Cultural numa noite inspirada, revelando ainda temas do seu próximo album

Num concerto realizado no âmbito do ciclo "Há Fado no Cais", Filipa Cardoso, que de início afirmou “estar muito nervosa e ansiosa com este concerto” fez levantar o público que esgotou o Pequeno Auditório, logo com o seu “Cravo” seguido da “Marcha do Marceneiro”.

Se estava nervosa não se notou nada porque toda a sua garra e pujança de voz estiveram patentes nestes primeiros temas.

E Filipa, ciente do apoio e carinho do público que se manifestava a cada tema, cantou e bem “Corrido”, “Meu Amor Marinheiro” e “Amor de Mel Amor de Fel”.
Os aplausos sucediam-se e sentimos que Filipa estava a ultrapassar o nervosismo e a ansiedade que confessou no início do espectáculo.
Um pequeno intervalo para um instrumental muito bem executado pelos seus músicos a sua “pandilha” como Filipa lhes chamou, composta por André Dias, na guitarra portuguesa, Miguel Ramos, na viola, Vasco Sousa, na viola baixo.

Quando regressou Filipa cantou “Cuidei que tinha morrido” e o conhecidíssimo “Chico do Caxené”, no que foi acompanhada por um público entusiasmado e sobretudo agradado com a sua artista.

Filipa Cardoso venceu em 2003 o concurso "O Fado Mora na Feira", em Lisboa, e dois anos depois a Grande Noite do Fado, também na capital.

Em 2005, estreou-se na revista em "Arre Potter que é demais!", seguindo-se uma digressão pelo país.
No regresso ao Parque Mayer foi possível vê-la em "A revista é liiiinda" e "Já viram isto?!?".

Em 2014 faz parte do elenco de "Tropa Fadanga", que o Teatro Praga levou à cena no Nacional D. Maria II, em Lisboa.

Estreou-se discograficamente em 2005, com "Fragmento de Fado" e, no ano seguinte, foi convidada para participar na II Gala dos Prémios Amália, em Lisboa.

Em 2009 gravou o álbum "Cumprir seu Fado", no qual contou com a participação de Argentina Santos no "Fado Herança".
Nesta segunda parte do concerto Filipa Cardoso, calma e segura, trouxe a palco João Balão que a acompanhou na percussão.
“Dia estranho”, “Amigo João” e “Maria Triste” que nos habituámos a ouvir na voz de Jorge Fernando foram os temas que se seguiram.

Alegre, comunicativa, Filipa Cardoso foi conquistando o público que se rendeu totalmente à sua forma de entender e cantar o Fado.

“Limão verde limão” obrigou todos a cantar e quase dançar.

E Filipa desvendou a sua surpresa da noite. Cantou “Lavadeiras de Caneças” um tema que integra o seu próximo álbum, e cantou bem, com a raça que a caracteriza.

Com “Bailinho à Portuguesa” terminou a sua apresentação, passando pelas marchas de Lisboa , algumas , não esquecendo a sua Alfama, com o público de pé a ovacionar, entusiasmado.

No encore um fado menor, porque “ no fado faz sempre falta o menor” diz a artista que culminou um concerto que decerto terá dado a Filipa Cardoso a certeza que não valia a pena estar nervosa. Esteve muito bem.

Modificado em domingo, 19 março 2017 15:20