Funeral de Francisco Nicholson com muitos amigos e familiares

Funeral de Francisco Nicholson com muitos amigos e familiares

Funeral de Francisco Nicholson com muitos amigos e familiares D.R.

Vários amigos e familiares estiveram presentes na Basílica da Estrela, em Lisboa, para a última homenagem a Francisco Nicholson, que morreu a 12 de Abril, em Lisboa.

No passado dia 14 de Abril, antes do corpo seguir para o crematório do Alto de S. João, muitos amigos e familiares deslocaram-se até à basílica da Estrela para se despedirem de um grande actor, realizador, argumentista e escritor.

Lamentávelmente a Comunicação Social deu pouca importância ao falecimento de Francisco Nicholson. Não seria necessário o exagero que no passado mês deram à morte de Nicolau Breyner, mas deveriam ter mais consideração por este Senhor. Um homem de grande importância para a cultura nacional.

Sofia Nicholson, filha do actor, utilizou as redes sociais para prestar homenagem ao pai, "O meu herói partiu esta manhã. Agradeço a todos as demonstrações de carinho e amizade".

Também Sofia Ribeiro afirmou que "outro enorme que nos deixa. Mais um dos muito raros magníficos! Uma referência. Mais um triste dia... Outra grande perda para o nosso país. Bem sei que a festa lá em cima deve ser de arromba mas a verdade é que por aqui, ainda faziam muita falta. Sr. Francisco Nicholson, foi uma enorme honra poder privar consigo. Obrigada pela generosidade e carinho que sempre teve comigo e por tudo e tanto que nos deu. Onde quer que esteja um sorriso enorme para o Xico e uma valente salva de palmas".

Herman José sobre a partida do actor, referiu "uma das muitas alegrias que dez meses de 'Há Tarde' me deram, foi receber o querido Francisco Nicholson pelo menos umas quatro vezes. Apesar de fragilizado pela doença, nunca perdeu uma oportunidade de mostrar que de espírito, não deixou de estar no auge. Vou ter muitas saudades dele".

Na sua página do Facebook, a apresentadora Rita Ferro Rodrigues escreveu: "Não me lembro de um ano tão cruel para as artes. Demasiadas despedidas. Hoje foi o querido Francisco Nicholson. Um gigante autor, um verdadeiro mestre para tantas gerações. Era também um querido amigo do meu adorado avô Eduardo. Que este o receba com um abraço, num qualquer palco de outro plano, onde tantos e tão bons já se encontram, certamente entre textos, gargalhadas, música e muitas palmas. Assim os imagino. Um abraço muito terno à Magda, à Sofia e restante família e amigos".

Um dos maiores icones do teatro nacional, Eunice Muñoz escreveu no seu facebook: "Lamentando o seu desaparecimento, abraço ternamente a sua filha, a sua mulher e toda a sua família".

Francisco Nicholson começou a fazer teatro aos 14 anos, no Liceu Camões, sob direcção do encenador e poeta António Manuel Couto Viana, a convite do qual veio a pertencer ao Grupo da Mocidade Portuguesa.

Em televisão, recordamos a primeira telenovela portuguesa "Vila Faia", em 1982, que Francisco Nicholson criou em conjunto com Nicolau Breyner, Thilo Krassman e Nuno Teixeira. Outras novelas, como "Origens", "Cinzas", "Os Lobos" ou "O Olhar da Serpente" foram também de sua autoria.

Nicholson foi um dos autores do tema "Oração", que António Calvário interpretou e ganhou a primeira edição do Grande Prémio TV da Canção.

Em 2014 estreou-se na literatura, com o romance Os Mortos não dão Autógrafos, editado pela Esfera dos Livros.

Um dos seus últimos trabalhos foi a Revista "Vai de Em@ail a Pior" (2011), que escreveu para o Teatro Maria Vitória, com produção de Hélder Freire Costa.

Nos últimos anos, o estado de saúde de Francisco Nicholson, doente hepático, veio a agravar-se. Foi submetido a dois transplantes de fígado, o último em 2011. Recentemente voltou a piorar e regressou ao hospital Curry Cabral, onde faleceu no dia 12 de Abril aos 77 anos.

captcha