Fado cantado com garra e galhardia encerrou as comemorações dos 125 anos do Campo Pequeno

Fado cantado com garra e galhardia encerrou as comemorações dos 125 anos do Campo Pequeno

Fado cantado com garra e galhardia encerrou as comemorações dos 125 anos do Campo Pequeno D.R.

Carlos do Carmo e Raquel Tavares foram que vozes que na noite de ontem, num concerto de grande qualidade técnica, e vocal e instrumental encerraram as comemorações dos 125 anos da Praça de Touros do Campo Pequeno.



Com um cenário minimalista e luzes bem colocadas,o concerto do Campo Pequeno encerrando as comemorações dos 125 anos da Praça, teve duas excelentes presenças em palco, Carlos do Carmo e Raquel Tavares que cumpriram de forma brilhante o objectivo do espectáculo.

Carlos do Carmo trouxe alguns dos temas já conhecidos, como “Canoa”, “Os putos”, “Lisboa”, no que contou com o público que mostrou conhecer e saber as letras das canções que o fadista canta.

Raquel Tavares foi a menina traquina que em palco mostrou toda a sua raça fadista. Falou dos fadistas que conheceu desde menina, falou de histórias da sua vida e interpretou e bem temas de Beatriz da Conceição, Fernando Maurício.
Lembrou numa confidência que o seu fado é o Fado tradicional.
Inovador no espectáculo foi o momento do improviso a que chamaríamos desgarrada. Os dois artistas sentados em tom de desgarrada improvisam formando um dueto de grande efeito musical.

De salientar dois momentos:
Raquel Tavares interpretou de forma brilhante e muito emotiva o poema de José Carlos Ary dos Santos e Fernando Tordo, “Meu Corpo”, que era cantado por Beatriz da Conceição.

Carlos do Carmo interpretou uma Fado de Maria do Rosário Pedreira, chamando a atenção para a beleza do poema e o sentido exacto do que é Fado.
Em palco os artistas tiveram excelentes apoios musicais.
Carlos do Carmo levou os seus meninos, como lhes chama, José Manuel Neto, na guitarra poruguesa, Carlos Manuel proença na viola de Fado, e José Miguel Freitas no baixo.

Por seu lado Raquel Tavares teve a acompanhá-la André Dias na guitarra portuguesa, Bernardo Viana na viola de fado, Daniel Pinho no baixo e Franco Leite na bateria.
Aliás este último foi alvo de fartos elogios da parte de Carlos do Carmo que o considerou de “grande qualidade técnica e de grande competência, porque sabe acompanhar Fado com bateria”.
O público que aplaudiu fortemente durante o espectáculo, não regateou aplausos no fim do mesmo, permanecendo de pé entusiasmado com a performance a que tinha assistido.

A direcção do Campo Pequeno ofereceu o livro comemorativo da efeméride aos dois fadistas.

Só um alerta. Seria bom que se estudasse uma forma de evacuar a sala de forma mais rápida.

terça, 14 Nov. 2017 10:00 – domingo, 31 Dez. 2017 17:00
Campo Grande 245, Lisboa, Lisboa

terça, 14 Nov. 2017 10:00 – domingo, 17 Dez. 2017 18:00
Campo Grande 245, Lisboa, Lisboa

captcha