Crise, Troika? Os milhões que a RTP vai gastar no Mundial de Futebol

sexta, 24 janeiro 2014 18:04 Escrito por  Lusa/AMT

A SIC e a TVI anunciaram hoje que decidiram romper "todas as negociações com a RTP" para a partilha de custos da transmissão do Mundial de Futebol de 2014.

Em causa, referem as duas televisões privadas, está uma proposta do conselho de administração da RTP relativa ao sublicenciamento dos jogos do Mundial de Futebol 2014, cujos direitos de transmissão são detidos pela estação pública.

"A proposta endereçada pelo conselho de administração da RTP pretende impor, desde logo, um modelo de leilão entre as duas operadoras privadas, postura que a SIC e a TVI rejeitam liminarmente", segundo o comunicado.

Além disso, "a própria RTP já vendeu parte dos direitos de transmissão à Sport TV, parecendo agora estar mais interessada em controlar a concorrência dos privados do que em proporcionar o acesso livre da integralidade dos jogos do Mundial a todos os portugueses", adiantaram as duas estações.
Em vez do leilão que a RTP propõe, "a SIC e a TVI defendem uma repartição, em igualdade de circunstâncias, entre os três operadores".

A SIC e a TVI adiantam que "a proposta da RTP exclui, logo à partida, a possibilidade" de as duas operadoras privadas "exibirem qualquer jogo da Seleção de Portugal, em qualquer das fases da competição", o que é "contrária à postura que os três operadores de televisão em sinal aberto adoptaram ultimamente, em matéria de eventos desportivos, num esforço que permite reduzir custos".

Por isso, ao propor "agora um modelo de negociação que vigorou até 2010, quando o mercado de Open TV valia 305 milhões de euros contra os atuais 189 milhões", a RTP "está a deitar por terra o esforço de convergência feito pelos três operadores aquando do Europeu de 2012, altura em que o país já se encontrava intervencionado e os reflexos da crise eram por demais evidentes".

As duas estações privadas lamentam que a RTP rejeite uma "repartição equitativa dos encargos do Mundial pelos três operadores e uma desoneração do erário público", apontando que o grupo estatal "parece querer ignorar a dramática situação financeira que o país vive desde a intervenção da 'troika' em 2011 e revela, mais uma vez, a sua actual vocação comercial, com prejuízo de todos, especialmente do erário público".

A SIC e a TVI sublinham que "ao não incluir esses jogos de Portugal, a RTP prescinde dos montantes financeiros que poderiam ser assumidos pelos operadores privados e que terão, assim, de ser pagos por todos os contribuintes", pelo que "não compreendem como pode a RTP querer assumir, sozinha, o elevado custo dos direitos de transmissão de um Campeonato Mundial de Futebol em sinal aberto".

No comunicado, as duas estações privadas adiantam que "manifestaram à RTP a sua indisponibilidade para apresentar qualquer proposta de sublicenciamento dos jogos do Mundial de Futebol, enquanto esta não abdicasse da postura de leilão que queria promover entre a SIC e a TVI e enquanto não incluísse jogos da Seleção Portuguesa, em igualdade de circunstâncias entre os três operadores", o que foi rejeitado pela estação pública.

"Face à intransigência da RTP em abdicar deste modelo que propõe, a SIC e TVI decidiram romper todas as negociações com a RTP com vista a uma partilha de custos do Mundial de Futebol de 2014", concluem as duas empresas.

Modificado em sexta, 24 janeiro 2014 19:07