Recriação Histórica da Batalha do Vimeiro "ultrapassou largamente os dez mil visitantes"

Recriação Histórica da Batalha do Vimeiro "ultrapassou largamente os dez mil visitantes"

A terceira edição da Recriação Histórica do Vimeiro chegou ao fim com o objectivo cumprido, chegar aos 10 mil visitantes nos três dias.

Segundo o Coordenador do Turismo da autarquia da Lourinhã, João Paulo Mergulhão, "ultrapassámos largamente os 10 mil visitantes". Também a responsável do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro e Organizadora do evento, Ana Bento, afirmou que no espaço que dirige "as visitas foram superiores, em relação ao ano anterior, na casa dos dois dígitos percentuais".

Pouco passava do meio-dia quando Ana Bento explicava ao público, presente para assistir à Recriação do Assalto à Igreja, que iria iniciar-se uma "emocionante viagem ao passado". A narradora explicava que "a primeira vez que as tropas francesas entravam no Vimeiro", contra um "exército de 25000 homens portugueses". Ana Bento explicava, enquanto se esperava pela artilharia pesada que "em Julho de 1808, a batalha estava no auge" e o "Governo britânico envia tropas para Portugal, sendo o desembarque na Praia de Porto Novo". A tropas eram comandadas por Sir Arthur Wellesley, futuro Duque de Wellington, que apenas pretendia "proceder ao desembarque, mas não combater", algo que acabou por vir a fazer, pois "as tropas francesas estavam em Torres Vedras", ou seja muito próximas.

As tropas anglo-lusas mantiveram uma posição defensiva no Vimeiro, aproveitando a geografia do terreno. Os franceses, reunidos em Torres Vedras, decidiram tomar a ofensiva, chegando à Carrasqueira na manhã de 21 de Agosto. A partir desse ponto, o Comandante Junot deu ordem de marcha para a batalha. Esta batalha foi decisiva visto que colocou termo à Primeira Invasão Francesa de Portugal.

Nas duas edições anteriores o Assalto à Igreja foi à noite, e o que decorreu no campo na noite anterior não existia. Alguns populares comentaram: "era mais bonito à noite, pois o efeito das luzinhas dava mais qualidade ao espectáculo"; "aqui era mais engraçado com as luzes"; "aqui vê-se tudo, mas lá em cima [ campo da batalha] não se viu nada"; "o ano passado os canhões partiram vidros e fizeram levantar as tampas das sarjetas, mas este ano foram mais moderados".

Para uma terceira edição existiu muita desorganização, pois além do que relatámos ontem, acrescentamos que se sentiu que os organizadores estavam muito atrapalhados em tentar fazer tanta coisa com tão poucas pessoas.

Sobre o facto de o nosso fotografo não poder trabalhar nas perfeitas condições, João Paulo Mergulhão apenas disse "foi por questões de segurança". No entanto quando lhe perguntámos porque "estavam outros no campo e o nosso não" podia estar, optou por não responder. Sobre o facto de a segurança e os escuteiros não estarem informados que não existia nenhuma identificação para os fotógrafos profissionais, respondeu "para o ano haverá acreditações" e seguiu caminho virando-nos as costas.

A Recriação Histórica e o Mercado Oitocentista têm futuro na vila do Vimeiro, mas precisam de uma organização muito mais conhecedora deste tipo de eventos.

Referimos ainda que, lamentavelmente, existia em vários locais que não era permitido animais. No entanto o público ignorou e levou-os. A segurança nada fez para impedir a entrada dos mesmos. Assistimos a algumas situações em que os animais tiveram um comportamento agressivo para com algumas crianças, mas não tivemos conhecimento de nenhum acontecimento mais grave.

Não podemos deixar de destacar a 'dupla da latrina', o Zacarias e o Ezequiel - Jenus -que andavam pelo mercado com uma latrina. na altura era o que existia para fazer as necessidades. Um sentido de humor muito bom e uma cumplicidade artística de elevado nível. Os malabaristas de fogo, que durante o dia faziam pequenas animações de época, no Mercado, são outro dos destaques. Por fim, mas não menos bom, o trio musical, Manuk, que durante o dia tocavam pelas ruas do Mercado e à noite acompanhavam o espectáculo de fogo.

Estivemos no Vimeiro a convite da Câmara Municipal da Lourinhã, que nos alojou na Residencial Braga. Agradecemos toda a amabilidade do proprietário e as facilidades concedidas para que desempenhássemos o nosso trabalho nas melhores condições.

terça, 14 Nov. 2017 10:00 – domingo, 31 Dez. 2017 17:00
Campo Grande 245, Lisboa, Lisboa

terça, 14 Nov. 2017 10:00 – domingo, 17 Dez. 2017 18:00
Campo Grande 245, Lisboa, Lisboa

captcha