“7 Maravilhas à Mesa”, um projecto que pode revolucionar o Turismo

“7 Maravilhas à Mesa”, um projecto que pode revolucionar o Turismo

Na tarde de ontem, 15 de Novembro, foi divulgado o projecto “7 Maravilhas à Mesa” um projecto que, poderá transformar e melhorar o conceito de Turismo em Portugal.

Numa sessão que contou com a presença de várias entidades ligadas ao Turismo e ao Enoturismo, entre elasCeia da Silva, presidente da região de Turismo do Alentejo e Ribatejo foi apresentado à Comunicação Social os parâmetros de mais uma edição das "7 Maravilhas de Portugal" que desta vez irá incidir na Mesa.

As sete regiões que integram a Nuts 2, estarão em competição e como afirmou Luis Segadães, "vamos pôr o país em competição." As regiões candidatas, Porto e Norte de Portugal, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Ribatejo, Algarve, Açores e Madeira terão de encontar o que melhor se produz na sua região e colocá-lo na Mesa, criando em simultâneo um roteiro turístico que permita aapreciar e degustar os produtos apresentados.

É sem dúvida um conceito diferente dos que presidiram às anteriores edições, mas é realmente um desafio para os candidatos que até podem ser mais do que um por região,concelho ou mesmo vila ou cidade.

Deste modo vinhos, pratos e petiscos, roteiros, eventos e experiências eno-gastronómicas vão integrar as “mesas” a concurso, dando um conceito de Turismo perfeitamente inovador.

“7 Maravilhas à Mesa” é o tema da eleição de 2018, com um projecto cuja fase de candidaturas abre a 17 de Novembro.


Chegou a hora de elegermos alguns dos patrimónios mais apreciados pelos portugueses: a Gastronomia associada aos Vinhos e a Roteiros Turísticos. Vamos votar o prazer de estar à mesa e também o prazer de ir para lá, de lá chegar, de lá estar. Trata-se por isso de comer, de beber e de andar por roteiros turísticos, desfrutando do melhor que a vida tem para nos oferecer. Queremos harmonizar a gastronomia com os vinhos, mas também com o prazer de percorrer o país, descobrindo os encantos do enoturismo”, explicou Luis Segadães, presidente das “7 Maravilhas” aquando do lançamento oficial do projecto na Pousada São Lourenço do Barroca, com a vila de Monsaraz como pano de fundo.

O lançamento oficial decorreu no espaço de turismo rural, conhecido como São Lourenço do Barrocal, tendo sido apresentada uma mesa de degustação , candidata ao concurso, composta por:

Gastronomia:

- Petisco: Perdiz de Escabeche

- Prato de Peixe: Lúcio-Perca (peixe do Alqueva) com migas de poejo

- Prato de Carne: Vitela orgânica São Lourenço do Barrocal no forno, com puré de batata doce e legumes grelhados da nossa horta

Vinhos e Azeites:

- Vinho Branco 2014 São Lourenço do Barrocal

- Vinho Tinto Reserva 2012 São Lourenço do Barrocal

- Azeite monovarietal de azeitona galega São Lourenço do Barrocal

Roteiros:

- Unidade hoteleira: São Lourenço do Barrocal

Serão estes os três ingredientes necessários à apresentação da candidatura.

As “7 Maravilhas” entram agora num campo onde será necessário ter em conta que não é só ir a um espaço apreciar a sua gastronomia, será bom saber o porquê da mesma e sobretudo o que há mais para ver e desfrutar naquele espaço. E porque as GNR anda na estrada para multar quem bebe mais que o permitido, porque não pernoitar e continuar pela manhã a descoberta do espaço?.


“Era inevitável que as “7 Maravilhas” acabassem por entrar no território dos vinhos, que são factor diferenciador incontornável na promoção de Portugal além fronteiras, e regressar ao universo da gastronomia, que já elegemos em 2011 e que agora abre todo um novo leque de oportunidades de promoção ao ser aliado aos vinhos e aos roteiros e experiências que tornam a nossa mesa única no mundo”, acrescentou Luis Segadães., que em conversa com o Jornal Hardmusica, lembrou que : “ quando vamos almoçar à Bairrada, por exemplo, e porque estamos limitados à ingestão de bebidas alcoólicas, porque não pernoitar, para desfrutar da zona para além da simples degustação gastronómica?”


Será sem dúvida um conceito diferente de no que se refere ao entendimento convencional de Turismo.

O regulamento do que já foi dito e está estabelecido resultará não uma, mas sete mesas representativas do nosso país.

O processo segue o percurso de anos anteriores, com a votação de um painel de especialistas na lista longa de candidaturas, de onde vai resultar uma lista de 49 pré-finalistas, 7 de cada região. Todo o processo tem o acompanhamento e supervisão de um Conselho Científico e a votação é auditada pela PwC.

Estas 49 mesas pré-finalistas serão votadas pelo público, para eleger as “7 Maravilhas à Mesa”, uma mesa por cada uma das 7 grandes regiões de Portugal, num roteiro único.

As candidaturas a concurso serão as “mesas”, mas num conceito alargado, que inclui o melhor que uma região tem para oferecer: os seus pratos, vinhos, pão, azeite ou queijos, mas também aquilo que pode ser experienciado, como um evento, uma adega, um lagar, um museu ou um percurso pedestre.

Cada região vai escolher 7 patrimónios, que incluem comidas, vinhos e uma escolha na área do turismo. Esta escolha será chamada “Mesa de (nome do lugar, aldeia, vila, cidade, restaurante ou hotel)” e entrará em competição as outras regiões de Portugal, o título de Maravilha. Cada candidatura será composta por 7 patrimónios à escolha, devendo obrigatoriamente incluir um património de cada categoria: Gastronomia; Vinhos e Azeites; e Roteiro Turístico.

Trata--se pois de um projecto com o Patrocínio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, da Secretaria de Estado do Turismo, e da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, desenvolvido em parceria com a Associação de Municípios Portugueses do Vinho.

terça, 14 Nov. 2017 10:00 – domingo, 31 Dez. 2017 17:00
Campo Grande 245, Lisboa, Lisboa

terça, 14 Nov. 2017 10:00 – domingo, 17 Dez. 2017 18:00
Campo Grande 245, Lisboa, Lisboa

captcha